Dietas e Práticas Gastronómicas Monásticas


 

Ementas Fradescas à Volta do Calendário

 

(de acordo com o manuscrito intitulado Principio e Fundação do Real Convento de Mafra, e sua grandesa e sua sustentação, fl. 44-49)

 

Nos dias ordinários, isto é, aqueles em que não havia qualquer solenidade ou jejum, os arrábidos do Convento de Santo António junto à Vila de Mafra seguiam a seguinte dieta: um pão ao jantar [11 horas] e outro à noite [ceia, às 21 horas] cada um com 16 onças de peso [a 28,687 g cada uma] e meia canada de vinho [7 dl], sopas espremidas, um arrátel [459 g] de vaca e um prato de arroz. À noite cada religioso tinha três quartas de carne [a 114,750 g cada uma], de vaca assada ou afogada, ou carneiro. O segundo prato era constituído por vegetais, arroz ou salada. Já nos dias ordinários de peixe  e nos de jejum a ração compunha-se de um arrátel de peixe fresco e sopas do mesmo; se fosse constituída por peixe seco cada um disporia de meio arrátel, sopa de feijão ou de ervilha, mais um prato de legumes temperados e arroz; à noite, vegetais, grão, aletria ou salada. Porém, em certas festividades eram introduzidas algumas alterações, a saber:

 

Festa da Encarnação

Em dia de carne, tem o mesmo que nos dias ordinários, tem mais um arrátel de carneiro assado e três quartos de vitela ou vaca guisada e fruta e queijo e, também, arroz doce; à noite o mesmo que nos dias ordinários (um arrátel de porco assado, arroz ou salada); em dia de peixe, o mesmo que nos dias ordinários de jejum, tem mais meio arrátel de peixe frito e meio de assado e arroz doce, fruta e queijo; à noite o mesmo que em os dias de jejum;

 

Entrudo da Quaresma

O mesmo que nos dias ordinários, mais um arrátel de carne de porco assada, meia galinha, caldo e arroz da mesma, fruta e queijo. Nos dois dias seguintes tinham sempre um arrátel de carne de porco, fruta e queijo; à noite servia-se-lhes uma ração grande de leitoa assada, sendo o segundo prato constituído por arroz ou salada;

 

Quaresma

A comunidade conventual de Mafra consumia 70 arráteis de passas e 60 de figos passados nas colações da Quaresma.

 

Domingo de Ramos

O mesmo que nos Domingos da Quaresma (um arrátel de peixe), mais meio arrátel de peixe frito e o mesmo de assado, laranjas da China e queijo; à noite o mesmo que nos dias de jejum. Na segunda, terça e quarta-feira o mesmo que nos dias de jejum, mais meio arrátel de peixe frito; à noite o mesmo que nos dias de jejum;

 

Quinta-Feira Santa

Caldo de pães doces, mais um arrátel de peixe fresco, meio de assado e outro tanto de frito; um prato de favas verdes ou espinafres com um ovo a cavalo, empadas, arroz doce, laranjas e queijo; à noite caldo de farinha e vegetais. Cada religioso tinha ainda  direito a meio arrátel de amêndoas cobertas e meia dúzia de ruplientionas [?];

 

Sábado Santo

O mesmo que nos dias de jejum, mais meio arrátel de peixe frito; à noite jejum;

 

Páscoa

Caldo de galinha e meia galinha, mais uma ração de cabrito grande, arroz de galinha, laranjas e queijo; à noite uma ração de cabrito grande também assado e arroz. Nas oitavas da Páscoa o mesmo, porém, à noite, como nos dias ordinários de carne;

 

Ascensão

O mesmo que nos dias ordinários de carne, mais um arrátel de vitela assada, pastel de carne, laranjas e queijos. À noite o mesmo que nos dias ordinários;

 

Espírito Santo

O mesmo que nos dias ordinários, mais um arrátel de carneiro assado, meia galinha, caldo da mesma, meio arrátel de doce, laranjas e queijos. À noite o mesmo que nos dias ordinários;

 

Oitavas do Espírito Santo

Ao jantar, meio arrátel de assado e, à noite, o  mesmo que nos dias ordinários;

 

Festa de Santo António, titular e orago da Casa

O mesmo que nos dias ordinários, mais um caldo de galinha, meia galinha, um arrátel de vitela assada, empadas, pastéis de nata, arroz doce, laranjas e queijos. À noite, vitela assada e salada ou arroz;

 

Festa do Corpo de Deus

O mesmo que nos dias ordinários, mais um arrátel de carneiro assado, pastéis, laranjas e queijos. À noite o mesmo que nos dias ordinários;

 

Dominga infraoctava da Festa do Corpo de Deus

O mesmo que nos dias ordinários, mais um arrátel de vitela assada, um prato de ovos moles, pastéis, arroz doce, laranjas, queijos e limões doces. À noite um arrátel de vitela assada e ervas;

 

Assunção de Nossa Senhora

Tem o mesmo que nos dias ordinários. Tem mais um arrátel de vitela assada e três quartas de carneiro guisado e fruta. À noite como nos dias ordinários;

 

Natividade de Nossa Senhora(orago da Basílica)

Tem o mesmo que nos dias ordinários. Tem mais caldo de galinha, meia galinha, um arrátel de vitela assada e três quartas de carneiro guisado, pastel, empada, arroz doce, melão, frutas e queijo e um arrátel de doce. À noite o mesmo, excepto três quartas de vitela assada, uvas ou salada;

 

Padre S. Francisco

Tem o mesmo que nos dias ordinários. Tem mais caldo de galinha, meia galinha, peru assado, leitoa assada, pastel, empada, arroz doce e metade de um melão, queijo, uvas, figos, limões doces, meio arrátel de doce e melancia. À noite tem um arrátel de vaca estufada e outro prato de cabidela de peru e uvas;

 

Sagração da Real Basílica

Tem o mesmo que nos dias ordinários. tem mais um arrátel de vitela e três quartas de carneiro guisado, pastel e arroz doce, fruta, queijo e um arrátel de doce. À noite o mesmo que nos dias ordinários;

 

Entrudo dos Santos

Tem o mesmo que nos dias ordinários. Tem mais um arrátel de carne de porco assada, pastel, arroz doce, fruta e queijo. À noite tem peru assado e cabidela do mesmo, arroz ou salada;

 

Nossa Senhora da Conceição

Tem o mesmo que nos dias ordinários de peixe. Tem mais meio arrátel de peixe frito, o mesmo de assado, pastel de fruta, arroz doce, fruta e queijo. À noite o mesmo que nos dias de jejum;

 

Natal

Ao jantar o mesmo que nos dias comuns, tem mais caldo de galinha, sopa de vaca, meia galinha e um arrátel de carne de porco assada, arroz do caldo da mesma galinha, fruta e queijo;

 

Dias de segunda classe, Apóstolos

Em dias de carne, tem o mesmo que nos dias ordinários, tem mais um arrátel de carneiro assado ou afogado ou vitela da mesma sorte e fruta; à noite o mesmo que nos dias ordinários; na mesma festividade, em dias de peixe ou de jejum, tem o mesmo que nos dias de peixe, tem mais um arrátel de peixe frito e fruta; à noite o mesmo que em dia de jejum.

 

Irmãos Donatos

Tinham direito à mesma ementa que os religiosos professos, excepto quando esta era constituída por galinha. Por determinação régia, os moços da comunidade recebiam na Páscoa, além da sua ração, um arrátel de carneiro para as suas famílias, e os pobres duas arrobas de bacalhau e dois alqueires de legumes, bem assim como os sobejos, em Quinta-feira Santa.

 

Copo de Água

 

Nome dado à pitança de doces que a Mesa novamente eleita da Ordem Terceira de S. Francisco costumava oferecer ao Padre vigário do coro no dia da sua eleição. No período entre 1748 e 1753 foram gastos 1320 réis, anualmente. Em 1754 despendeu 7820 réis nos doces que vieram de Lisboa para os músicos e, no ano seguinte, 16330 réis nos destinados ao Miserere da Procissão dos Terceiros (cf. Livro da Despesa do Irmão Síndico da Ordem Terceira de S. Francisco).

 

Frade Comilão

 

Corre na região de Mafra uma lenda assim intitulada, cujo teor é o seguinte: entre os frades arrábidos do cenóbio mafrense havia um que comia até ter de se desabotoar todo, não se emendando nunca. Durante um banquete oferecido pelo rei alguém lhe fez queixa do frade comilão. O soberano pensou, pensou, até que teve uma ideia. No final do banquete, à hora do brinde, o rei levantou-se e disse: - Dou a honra de fazer o brinde àquele frade aqui presente. O frade para não se pôr em pé, com medo que o vissem descomposto, disse: - Para fazer o brinde ao rei só de joelhos. E assim o frade comilão fez o brinde ao rei sem ninguém notar que estava todo desabotoado.