Alquimia


Subsídio para o Catálogo da Tratadística Alquímica Antiga (Até 1800),  Presente no Acervo da Biblioteca do Palácio Nacional de Mafra

 

 

ABANO, Pietro d' (1250-1316)

Médico e filósofo, adepto de Averróis. Cursou medicina e filosofia em Paris, tendo-se estabelecido em Pádua, onde ganhou reputação como médico, astrólogo e alquimista. Duas vezes incriminado pelo Santo Ofício, foi absolvido da primeira acusação, tendo falecido antes de julgado da segunda. Mesmo assim, a Inquisição ordenou que fosse exumado e queimado, o que um amigo frustrou, trasladando secretamente o seu cadáver. Em consequência, foi sentenciado em efígie. Autor do Conciliator controversiarum quae inter Philosophos et Medicos versantur (Veneza, 1565 [1-18-8-3]), citado por Lúcio Cipião no interrogatório a que foi submetido pelo Santo Ofício português.

 

AEYRENAEO PHILALETHA

Pseudónimo de autor seiscentista, também denominado Cosmopolita. Declara ter obtido a Pedra Filosofal em 1645, com 23 anos, e feito amizade com Robert Boyle. Ver Bibliothèque des Philosophes [Chymiques], v. 1, p. 236-326 (Entrada aberta no Palácio encerrado do Rei) [2-32-3-26]; Manget, v. 2, p. 661 (idem, Tractatus de Mettalorum Metamorphosi e Brevis Manuductio ad Rubium Caelestem)

 

AGRICOLA, George (1494-1555)

Georg Bauer. Pai da metalurgia ocidental. Estudou Filosofia e Teologia, em Lípsia, Medicina (com Berengario da Carpi), em Bolonha e Pádua. Médico (1543), Diplomata ao serviço do duque da Saxónia (1546) e Burgomestre (1546, 1548, 1551 e 1553), em Chemnitz. Existe o De natura eorum qui effluent ex terra, libri 3, in Balneis omnia [1-18-12-17], cuja doutrina, segundo a qual os terramotos podem ser causados por demónios subterrâneos que habitam no seio da terra, o autor da Relação anónima da Destruição de Lisboa e famosa desgraça que padeceo no dia primeiro de Novembro de 1755 (Lisboa, 1756) refuta liminarmente.

 

ALBINEI, Nathanis

Ver Manget, v. 2, p. 387: Carmen Aureum e Aenygma.

 

ALDRETE Y SOTO, Luis de (c. 1600-1689 ?)

Aguazil-Mor da Inquisição, Regedor perpétuo da cidade de Málaga e seu Procurador-Mor na Corte de Madrid. Autor de La Verdad Acrisolada. Ilustrado con Letras Divinas y Humanas, Padres, y Doctores de la Iglesia. Respondiendo al auto del proto-medicato, en que prohibe la Medicina Universal. Y al Papel del Dr. Juan Guerrero, que intitula: Sol de la Medicina (Valência, 1682 [2-30-12-21]). Contraditado por Justo Delgado de Vera (Defensa, y respuesta, justa y verdadera, de la medicina racional, y philosophica, profanada de las imposturas de la chimia, introductora de el remedio universal, y agua de la vida de Alderete, Madrid, 1687) e Pedro de Godoy (Segundo discurso serio-jocoso sobre la nueva inventiva de la agua de la vida, s. l., 1682 [1-18-6-9]). No Castelo Forte (1723) de João Lopes Correia é citado o unguento de Alderete e na Farmacopeia Tubalense (1751) a água de vida de Alderete.

 

ALONSO BARBA, Alvaro

Religioso no México e célebre artista das minas de Potozi. Autor de Arte de los metales, en que se ensena el verdadero beneficio de los de oro y plata por azougue [...] nuevamente anadido con el tratado de las antiguas minas de Espana que escrivió D. Alonso Carrillo y Laso (Madrid, [1729]) [2-41-4-29] A edição príncipe remonta a 1640. Tradução francesa: Traité de l' Art métalique (Paris, 1730) com uma memória sobre as minas de França da responsabilidade do editor da obra e alegado alquimista, Charles Hautin de Villars.

 

[ANÓNIMO]

Ver Bibliothèque des Philosophes [Chymiques], v. 1, p. 13-48: Turba dos Filósofos ou Assembleia dos Discípulos de Pitágoras, chamado o Código de Verdade) [2-32-3-26].

 

ARISTÓTELES (Pseudo)

Muitos apócrifos lhe são atribuídos, designadamente o Secreta Secretorum, um dos mais importantes textos mediévicos, onde, dialoga com Alexandre Magno, expondo algumas considerações sobre os elixires para prolongar a vida. Ver Manget, v. 1, p. 638: De perpetuo Magisterio.

 

ARNALDO DE VILANUEVA (1235-1311)

Um dos maiores cientistas medievais e professor de medicina emérito, reputado por alquimista, apesar de os textos que lhe andam atribuídos serem na maior parte apócrifos, salvo o Tratado da preservação da juventude e o Rosarius Philosophorum ou Thesaurus. Muito antes de Paracelso são-lhe creditados remédios alquímicos. Uma obra de Kabbalah, intitulada Tetragrammaton (1292) valer-lhe-ia a prisão em Paris. No De Adventu antichristi et fine mundi anunciou o advento do Anticristo para o ano de 1345.

*Semita Semitae (ver Helvetius, fl. 69 e Manget, v. 1);

*Rosarius Philosophorum (ver Manget, v. 1);

*Testamentum (idem); Perfectum Magisterium et Gaudium (idem);

*Epistola super Alchimia (idem);

*Speculum Alchimia (idem);

*Schola Salermitana sive de Conservanda Valetudine praecepta metrica [2-30-2-2];

 

ARTEPHIUS

Ver Bibliothèque des Philosophes [Chymiques], v. 2, p. 144-188: Livro da Arte Secreta ou da Pedra Filosofal [2-32-3-26] e Manget, v. 1, p. 505: Clavis Majoris Sapientiae.

 

AUGURELLO, Jean Aurelle (1441-1524)

Alquimista e poeta italiano. Professor de grego e latim em Veneza e cónego em Treviso. Autor de Chrisopoiae libri tres (Veneza, 1515; trad. francesa: Art de Faire de l'Or, Lyon, 1548), obra dedicada ao Papa Leão X, o qual lhe ofereceu uma bolsa vazia dizendo-lhe que quem sabia fabricar ouro não necessitava senão do recipiente para guardá-lo. Citado por Manuel Bocarro Francês (Anacephaleoses da Monarquia Lusitana). Ver Manget, v. 2, p. 373: Chrysopoeia e Vellus Aureum.

 

AVERRÓIS

Ver Balneis omni quae extent e Manget, v. 2, p. 192: Thesaurus Philosophiae.

 

AVICENA

Aceita a teoria da geração dos metais a partir do mercúrio-enxofre, arguindo que a prata sólida pode ser produzida pela virtude do enxofre branco, com adição do mercúrio, e que um enxofre muito puro e subtil combinado com o mercúrio pode solidificar em ouro. Foi esta a base da doutrina da transmutação dos metais durante a Idade Média. Citado in Ennoea. Ver Balneis omni quae extent, Helvetius e Manget, v. 1, p. 638: De Conglutinatione Lapidum.

 

BACON, Rogério (1214-1294)

Franciscano, discípulo de Robert Grosseteste. No Opus Majus [Veneza, 1650: 2-40-4-14] expõe uma síntese coerente da filosofia natural, atribuindo uma especial enfâse à matemática, chave das ciências, embora mantendo a Teologia como Regina Scientiarum.

Considerou a alquimia um dos pilares da medicina, por possibilitar a separação dos ingredientes benéficos dos prejudiciais, no que foi precursor de Paracelso. No Opus tertium demonstra conhecer a distinção entre alquimia especulativa e prática. Citado in Ennoea. Ver Manget, v. 1, p. 613: Speculum Alchimiae e De Secretis operibus Artis et Naturae et de nulitate Magiae.

 

BALDUÍNO, Cristiano Adolfo

Ver Manget, v. 2, p. 856: Aurum Superius et Inferius Aurae Superioris et Inferiores Hermeticum.

 

BECHER, Johann Joachim (1635-1682)

Químico alemão. Caído em desgraça na corte do seu mecenas, o conde de Zinzendorf, fugiria para Viena, daí passando à Holanda e, posteriormente, à Inglaterra, onde terminaria os seus dias. Os estudos que empreendeu sobre a combustão conduziram-no à aceitação da existência de um espírito do fogo, que, embora escapando para o ar, podia ser novamente aprisionado numa substância à qual transmitiria a propriedade da combustibilidade. A teoria flogística exposta pelo discípulo G. E. Stahl, havia de consagrar as suas ideias a este respeito.

*Physica Subterranea, Lipsiae, 1738 [2-37-8-4] obra (cuja edição príncipe saíu em 1669) que sintetiza as teorias de Becher acerca dos minerais e outras substâncias;

*OEdipus chymicus, Frankfurt, 1716 (ver Manget, v. 1, p. 306).

 

BERNARD TREVISAN (c. 1380)

Carteou-se com Tomás de Bolonha, astrólogo e médico de Carlos V de França. Numa das cartas (1385) expõe a sua teoria dos metais (mercúrio-enxofre), afirmando que o mercúrio é o único constitutivo do ouro. Demonstra grande animosidade contra Rhazes e Geber. Citado por Manuel Bocarro Francês (Anacephaleoses da Monarquia Lusitana). Fiama Brandão afirma conhecer uma obra sua em Portugal, sem contudo, indicar qual e onde se arquiva. Ver Manget (v. 2, p. 388) e Bibliothèque des Philosophes [Chymiques], v. 1, p. 99-150: Livro da Filosofia Natural dos Metais [2-32-3-26].

 

BERNAUDI, Nicolas

Ver Manget, v. 2, p. 713: Aenygmaticum quodam Epitaphium Bononiae ante multa Secula Marmoreo Lapidi insculptum Commentariolus.

 

BLAVENSTEIN, Salomão

Ver Manget, v. 1, p. 113-118: Contra Antichymisticum Mundum Subterraneum de A. Kircher.

 

BOERHAAVE, Hermann

Iatroquímico, representante máximo da escola humoral, denominado Communis Europae Praeceptor. Declinou convite de D. João V para vir ensinar em Portugal, onde o seu sistema, baseado na articulação de determinados fundamentos galénicos, a iatromecânica e certos príncipios da iatroquímica (aquele que mais influenciou a medicina durante o século XVIII), derrotou o animismo de Stahl, representado por José Rodrigues de Abreu. Ribeiro Sanches conta-se entre os seus discípulos.

*Elementa Chemiae, Leide, 1732, 2 vols. [2-30-12-12 / 13];

*Elemens de Chymie, Paris, 1754, 6 vols. [2-32-3-7 / 12];

*Traité de la matière médicale pour servir a la composition des remedes indiqués dans les Aphorismes, Paris, 1739; [2-31-2-6]

 

BONUS, Petrus (1300?-?)

Filósofo hermético e alquimista, natural de Ferrara (?). Autor de Pretiosa Margarita Novella de Thesauro, ac Pretiosissimo Philosophorum Lapide (Veneza, 1546), redigido em Pola, na Ístria, em 1330. Num catálogo do livreiro João Santos é descrito um exemplar (n. 2095). Ver Manget, v. 2, p. 1-80.

 

BORRICHIO, Oswald

Ver Manget, v. 1, p. 1-37: De ortu et progressu Chemiae.

 

BRACESCO, João

Alquimista. Residiu em Brescia e, além dos comentários de Geber, publicou uma dissertação sobre o uso da pedra filosofal na medicina (Roma, 1542).

*Dialogus Verum et germinem (ver Manget, v. 1, p. 565);

*Lignum Vitae (idem, p. 911-938)

 

CASTELO BRANCO, Anselmo Caetano Munhós de Abreu Gusmão e

Natural de Soure, filho do Dr. António Munhós de Abreu, formado na Faculdade dos Cânones, e de Simoa Godinha da Rosa. Doutor em Medicina pela Universidade de Coimbra, Barbosa Machado (Biblioteca Lusitana, v. 1, p. 178) di-lo "ornado de feliz memória, notícia das línguas mais polidas da Europa e não menos versado na lição dos Santos Padres, Sagrada Bíblia, disciplinas Matemáticas e mistérios ocultos da Química (...)". Foi o maior químico hermético português de todos os tempos (discípulo de um mestre coimbrão, citado na Parte III, p. 73) e autor de Ennaea [sic], ou applicação do entendimento sobre a Pedra philosophal provada, e defendida com os mesmos argumentos com que os Reverendíssimos Padres Athanasio Kircher no seu Mundo Subterraneo, e Fr. Bento Hieronymo Feyjoo no seu Theatro Crítico, concedendo a possibilidade, negão, e impugnão a existencia deste raro e grande mysterio da Arte Magna, Lisboa, Maurício Vicente de Almeida, 1732-1733 (dois volumes encadernados conjuntamente, decerto para salvaguardar a inexistência, no segundo, de qualquer licença eclesiástica ou do Paço) [2-33-9-19]. O clérigo teatino, Rafael Bluteau, crismado por Anselmo Caetano de "Hermes católico", é responsável pelo panegírico que serve de Aprovação do Paço, enquanto Dom António Caetano de Sousa subscreve as Licenças do Santo Ofício. No Prólogo Galeato, o alquimista analisa os fundamentos filosóficos da química hermética, criticando a opinião advogada por Kircher e por Bento Feijó de não ser viável a crisopeia ou transmutação laboratorial dos metais, apresentando o Monumento de Mafra mandado erigir pelo Magnânimo como a pedra de toque, autêntica Pedra Cúbica ou Filosofal, do Quinto Império. A componente especificamente alquímica deste tratado concentra-se nos três diálogos cujos interlocutores são Enódio, Enodato, um Filósofo e um Peregrino.

 

CLAUDERO, Gabriel

Ver Manget, v. 1, p. 119-168: Tractatus de Tinctura Universali contra A. Kircher.

 

CNOFFELLI, André

Ver Manget, v. 2, p. 880: Responsum ad Positiones de Spiritu Mundi.

 

CORTALANEI

Ver Manget, v. 2, p. 619: Mysterium occultae Naturae e De duobus Floribus Astralibus Agricola minoris.

 

DAUSTENI, João

Ver Manget, v. 2, p. 309: Rosarium Arcanorum Philosophorum.

 

DOM ESPAGNET ou Jean d' Espagnet

Presidente do Tribunal de Bordéus e alquimista que se ocultou sob os anagramas Spes mea est in Agno e Penes nos unda tagi. Associou-se a Pierre de Lancre na batalha contra os feiticeiros do Sudoeste da França.

Ver Manget, v. 2, p. 626: Enchiridion Physicae restitutae.

 

DORN, Gerard

Dom Vicente Nogueira possuía obras deste autor [BNParis: ms. Port. 51, 5.51897, fl. 24 e 47], discípulo de Adam von Bodenstein. Com Miguel Toxites publicou Paracelso pela primeira vez. Responsável pelo glossário de termos paracélsicos e relato das posições de Tritémio sobre a Espagíria. Ver Manget, v. 1, p. 380: Tabula Smaragdina.

 

FABRI, Pedro João

Alquimista francês seiscentista de Castelnaudary.

*Alchymista Christianus in quo Deus rerum author omnium et quamplurima Fidei Christianorum que orthodoxa doctrina, vita et probitas non oscitanter ex chymica arte demonstrantur, Toulouse, 1632 [2-32-3-1] Obra dedicada ao Papa Urbano VIII, na qual pretende demonstrar que os símbolos e os ritos da religião católica correspondem às diversas operações da Grande Obra: o baptismo à calcinação, a confirmação à fixação, a penitência à putrefação, a Eucaristia à própria Pedra;

*Res Alchymiorum obscuras extraordinaria perspicuitate esplanans (Ver Manget, v. 1, p. 291)

 

FANIANO, João Crisipo

Ver Manget, v. 1, p. 210: De Jure Artis Alchemiae.

 

FERNELIUS, Johannes

Galeno moderno. Médico do rei Henrique II.

*Universa Medicina, s. l., 1577 [1-18-4-6]

 

FEYJÓO Y MONTENEGRO, Padre Benito Jeronimo (1676-1764)

Beneditino. A filosofia natural ensinada pelos padres do Oratório, apoiada pelas apologias de António Pereira de Figueiredo, abriu-lhe vastos auditórios em Portugal. No entanto, foi alvo de pertinentes contestações e refutações, como, por exemplo, as do dominicano Frei Bernardino de Santa Rosa ou do médico e hermetista coimbrão Anselmo Caetano de Abreu Gusmão Castelo Branco. Autor de Theatro Critico Universal (1726-1729), obra em oito tomos mais um suplemento (1741). Inclui ainda as Cartas Eruditas (1744-1760, em cinco tomos, a Justa Repulsa [...] e a Ilustração Apologética. Dedica grande número de estudos às tradições e ao que considera superstições populares (astrologia, artes divinatórias, magia, saludadores, duendes, espíritos familiares e outros seres sobrenaturais, pedra filosofal [tomo III, discurso VIII e tomo IV, discurso XVII], animais fantásticos, etc.). Foram extraordinárias em Portugal as repercussões da doutrina gassendista expendida nos tomos III (discurso VIII) e V (discurso XVII), no contexto da disputa entre antigos (peripatéticos ou aristotélicos, i. e., os Jesuítas) e modernos (iatromecânicos ou atomistas, i. e., os Oratorianos) [2-25-6-2/14 e 19/20 = 15 tomos].

 

FICINO, Marsilio

Ver Manget, v. 2, p. 172-183: De Arte Chimica.

 

FLAMEL, Nicolas (c. 1330-1418)

De acordo com um documento supostamente seu, comprou, em 1357, por dois florins, um livro atribuído a Abraão, o Judeu, o qual ensinava a transmutação dos metais por intermédio de figuras simbólicas. Trabalharia durante mais de duas décadas, até lograr a decifração do sentido oculto do texto, o que terá acontecido em 1382, ano em que transmutou mercúrio em ouro e prata. Ver Bibliothèque des Philosophes [Chymiques], v. 1, p. 49-98: Livro das Figuras Hieroglíficas [2-32-3-26]; Manget, v. 2, p. 350: Commentarium e Tractatus brevis seu summarium Philosophum.

 

FLUDD, Robert (1574-1637)

Manteve animadas controvérsias com Pierre Gassendi, o padre Mersenne e Kepler. Dom Vicente Nogueira refere-lhe-se em duas cartas enviadas a Dom Vasco da Gama, embaixador de D. João IV: "[...] as obras de roberto aflud que aqui se vendem a vinte e trinta escudos pude eu haver por dez, e inda menos: é de meu parecer deve V. S. lançar de sy como os de Scoto e o mesmo lhe dissera dos de S. Thomas [...]" (Carta XXXIX, 22 de Novembro 1649) e "Perdoe Deus quem aconselhou a V. S. que comprasse o Roberto de flud, autor meyo feiticeiro e mal acreditado, despesa tão desnecessaria como os concilios do Louvre, e obras de Scotto que são obras para uma Livraria Regia como a do Escurial [...]" (Carta XLIX, 29 de Junho a 19 de Setembro 1650).

*Utriusque Cosmi Maioris scilicet et Minoris Metaphysica, Physica atque Technica Historia, in duo volumina secundum Cosmi differentiam divisa: Tomus primus De Macrocosmi Historia, Oppenheim, 1617 [1-51-13-6 = Proibido por decreto de 4 de Fevereiro de 1627];

*Tractatus Secundus De Naturae Simia Seu Technica macrocosmi historia in partes undecim divisa, Oppenheim, 1618 [1-51-13-7] A História Metafísica, Física, Técnica dos mundos maior e menor, dividida em 2 tomos, atendendo à diferença entre ambos: I. História, Metafísica e Física; II. Do Símio da Natureza é uma tentativa de ressuscitar a magia operativa e cabalística tal como Ficino e Pico a haviam teorizado, fundada sobre as relações entre macro e microcosmos e sobre a figura do homem mago delineada pelo Corpus Hermeticum; ignora deliberadamente os estudos críticos de Isaac Casaubon acerca da datação pós-cristã dos tratados, a qual constitui a definitiva demolição da teoria da prisca filosofia proposta por Ficino; publicada por John Bulwer, precursor da utilização da linguagem gestual para comunicar com surdos-mudos: os termos quiromânticos são ilustrados com diagramas de espantosa modernidade, tal como o texto, de resto, reimpresso por João Praetorius no Ludicrum chiromanticum [2-51-4-16];

*Tomus secundus De Supernaturali, Naturali, Praeternaturali et Contranaturali Microcosmi Historia, Oppenheim, 1619 [1-49-13-5] i. e., Da História Sobrenatural, Natural, Prenatural e Antinatural do Microcosmos;

*Tomi secundi Tractatus Secundus De Praeternaturali Utriusque Mundi Historia, Frankfurt, 1621 [1-49-13-5] Este Da História Prenatural de ambos os Mundos inclui o Discurso Teosófico, Cabalístico e Fisiológico de ambos os Mundos;

*Clavis Philosophiae et Alchymiae Fluddanae, sive Roberti Fluddi Armigeri, et Medicinae Doctoris, ad Epistolicam Petri Gassendi Theologi Exercitationem Responsum, Frankfurt, 1633 [2-49-13-3 e 4 = 2 exemplares] Inclui: Responsum ad Hoplocrisma-Spongum M. Fosteri Presbiteri, ab ipso, ad unguenti armarii validitatem delendam ordinantum, i. e., Resposta ao Hoplocrisma-spongus, do presbítero William Foster, composto por ele para destruir a validade do unguento armarium (Londres, 1631);

*Philosophia Moysaica. In qua Sapientia et Scientia creationis et creaturarum sacra vereque Christiana (ut pote cuius basis sive Fundamentum est unicus ille Lapis Angularis Iesus Christus) ad amussim et enucleate explicatur, Gouda, 1638 [2-49-13-3] Derradeira obra publicada por Fludd e a única traduzida para inglês no seu tempo (Mosaicall Philosophy:

Griunded upon the Essential Truth, or Eternal Sapience, Londres, 1659). Trata-se de uma das mais importantes para a compreensão da metafísica fludiana.

 

FROBÉNIO, Melchior

Ver Manget, v. 2, p. 875: Brevis enumeratio hactemus a se in chemia actorum.

 

GEBER (c. 721- c. 815)

Pai das alquimias árabe e europeia. Muito influenciado pelo misticismo shi'ita. Considerado a mais importante fonte da alquimia medieval. Ocupa-se do problema clássico da geração dos metais a partir do mercúrio e do enxofre. A numerologia talismânica é fundamental à sua doutrina da Pedra Filosofal. O auge da difusão de Geber foi atingido quando um tradutor exercendo o seu mister em Espanha, durante o século XIII, encetou a adaptação latina de todos os textos alquímicos que lograva alcançar, colocando-os sob a tutela de Geber Rex Arabum. Geber ora é identificado com Yabir ben Hayan, ora com Yabir Ben Aflah. As notícias mais antigas a seu respeito são-nos facultadas por Ibn Umayl e Ibn Wahsiyya. Citado por Manuel Bocarro Francês.

*Summa Perfectionis. Magisterii in sua natura; Ex Bibliothecae Vaticanae Exemplari undecunq; emendatissimo edita, cum vera genuinaq; delineatione Vasorum & Fornacum. Deniq; libri Investigationis Magisterii & Testamenti ejusdem Gebri, ac Aurei Trium Verborum Libelli, & Avicennae. Summi Medici & acutissimi Philosophi Mineralium additione Castigatissima, Veneza, 1542 Edição feita com base num manuscrito da Biblioteca Vaticana com o objectivo de corrigir as interpretações vulgares da Alquimia. À clareza e sistematização das formulações teóricas acrescenta uma particular precisão na descrição das operações de laboratório, sempre ilustradas com reproduções dos principais instrumentos técnicos. Além da Suma da Perfeição, inclui: Liber Trium Verborum Kallid acutissimi (p. 235), De Congelatione et Conglutinatione Lapidum, de Avicena (p. 245), Avicenae Mineralia, cujusdam Epistolae quae Alexandri Macedonum Regis nomine circumfertur, Interpretatio abditam Philosophici lapidis, compositionem sapientissimus acutissime declarans (p. 254), Authoris ignoti, Philosophici Lapidis Secreta, metaphorice describentis Opusculum (p. 261), Merlini Allegoria, profundissimum philosophici Lapidis Arcanum perfecte continens (p. 265), Rachaidibi, Veradiani, Rhodiani et Kanidis Philosophorum Regis Persarum, de Materia Philosophici Lapidis acutissime colloquentium fragmentum (p. 270), Faustus Sabeus ad Lectorem (p. 278). Reedição: Dantzig, 1682 [2-37-2-33]. Ver Bibliothèque des Philosophes [Chymiques], v. 2, p. 189-487 [2-32-3-26] e Manget, v. 1, p. 519.

 

GERHARDI, João

Ver Manget, v. 1: Analysis Partis Praticae.

 

GERMAIN, Cláudio

Ver Manget, v. 2, p. 845: Icon Philosophiae Occultae.

 

GERNANDI, João

Ver Manget, v. 1, p. 568: Exercitationes perbraves in Gebri.

 

GRASSEI, João

Ver Manget, v. 2, p. 585: Arcani artificiossimi.

 

HARTMANN, João

Autor de Opera Omnia Medico-Chymica (Frankfurt, 1684 [1-18-5-11]).

 

HELVETIUS (pseud. Johann Frederich Schweitzer) (1625-1709)

Em 1649 praticava medicina na Holanda, sendo médico do príncipe de Orange. Autor de Vitulus Aureus (ver Manget, v. 1, p. 196-210), onde reporta o diálogo com Elias Artista, em 1666, quando este realizou transmutações na sua presença. Impresso em Haia (1667) e reproduzido no Museum Hermeticum (Frankfurt, 1678) e no The Hermetic Museum Restored and Enlarged (Londres, 1893). Editor de Opuscula De Alchimia: Complura Veterum Philosophorum, s.l., s.d. [Frankfurt, 1650] [2-32-6-3]. Inclui: Semita Semitae, de Arnaldo de Vilanova (fl. 69), Tractatus de Tinctura Metallorum, de Avicena (fl. 75), Compendium animae Transmutationis, tractatus chymicus (fl. 92) e Vade mecum artis compendiosae, sive de tincturis compendium (fl. 153), ambos atribuídos a Raimundo Lúlio.

 

HELVETIUS, Jean Adrien (1661-1727)

Autor de:

*Tratado das mais frequentes enfermidades, e dos remédios mais próprios para as curas: obra de grandíssima utilidade, não só para médicos, cirurgiões e boticários, mas para todos os pais de família, e pessoas curiosas, que ainda sem dependência dos professores de medicina, guiados só pela claresa do seu método se poderão socorrer a si mesmo na maior parte das suas enfermidades [...]. Acrescentado com um numerosíssimo catálogo de plantas medicinais com os seus nomes próprios em português, latim e francês (trad. por António Francisco da Costa), Lisboa: Oficina de Miguel Rodrigues, 1747 [2-30-9-13]. Nesta obra indica as propriedades do pó de Ipecacuanha por si introduzido na farmacopeia francesa, o que lhe havia de valer uma gratificação de 1000 luíses de ouro;

*Principia Physico- Medica in Pirorum Medicinae, Frankfurt, 1754, 2 vols. [2-30-9-14/15].

 

HERMES TRISMEGISTO

O primeiro indício do conhecimento do Corpus Hermeticum na Europa, mais concretamente na Península Ibérica, remonta ao séc. X. A Tabula Smaragdina, supostamente descoberta no túmulo de Hermes, foi então, e pela primeira vez, usada como colofon de um livro de alquimia, o Sirr Al-Jaliqa ou Kitab Al-´Ilal, o qual fez a sua aparição no Al-Andalus durante o califado do omíada Al-Hakam II (f. 976). Traduzida para latim pelo bispo hispânico Hugo de Santalla, seria difundida por Alberto Magno, ao incorporá-la no De Rebus Metalicis et Mineralibus. D. Afonso V possuía na sua biblioteca um Hermes, aliás a única fonte citada nos dois tratados sobre a pedra filosofal que se lhe atribuem. Ver Bibliothèque des Philosophes [Chymiques], v. 2, p. 1-81: Sete Capítulos [2-32-3-26], Hortulanus e Manget, v. 1, p. 380 e 400.

 

HERTODT, João Fernando

Ver Manget, v. 2, p. 697: Epistola contra Philalethem.

 

HOFFMANN, Frederico

A este médico se deve um misto em partes iguais de éter e álcool concentrado conhecido sob a designação de licor anódino mineral de Hoffmann, ainda hoje utilizado pela farmacopeia.

*Opera omnia Physico-Medica, Génova, 1740 [1-18-2-1 / 4]; *Operum omnium Physico Medicorum Supplementum, Génova, 1749 [1-18-2-5];

*Supplementum secundum, Génova, 1753; [1-18-2-6 / 7];

*La Médicine Raisonnée, Paris, 1743-1751, 9 vols. [2-30-6-12 / 20];

*Les vertus medicinales de l´eau commun [...], Paris [2-31-2-18 / 19]

 

HOGHLANDE, Teobaldo de

Ver Manget, v. 1, p. 336: De Alchimiae Difficultatis Liber.

 

HORTULANUS

Ver Bibliothèque des Philosophes [Chymiques], v. 1, p. 1-12: comentário à Tábua de Esmeralda [2-32-3-26].

 

JOHNSON, William

Ver Manget, v. 1, p. 217: Lexicon Chymicum (edição príncipe: Londres, 1660, 2 tomos).

 

JUAN DE RUPESCISSA, de Ribatallada ou de Rocacelsa

Frade menor, mestre, doutor e catedrático de Teologia em Barcelona e missionário em Moscovo (Historia de los Heterodoxos, v. 1). É considerado um dos expoentes máximos do pensamento hermético. Escritos proféticos e críticos da Igreja estiveram na origem da sua prisão, em 1357, por ordem do Papa Inocêncio VI. Muito citado nas miscelâneas sebastianistas sob as designações de João de Rocacelsa, Frade Bento e "ínclito profeta de S. Bento" (Inácio de Guevara). Num códice manuscrito dos inícios do século XV, proveniente de Portugal e ofertado a Marcelino Menendez Pelayo, acham-se obras químicas que lhe são atribuídas (ver Ramón de Luanco).

Liber Lucis, in Theatrum Chemicum (v. 3, p. 284-294) e Manget (v. 2, p. 83-87) Situa-se entre a profética joaquimita e a alquimia. Afirma na introdução que são de esperar grandes perseguições patrocinadas pelo Anticristo, que os eleitos de Deus cairão em grande pobreza e que a Pedra Filosofal será revelada. Influenciou os Tratados de Afonso, Rei de Portugal. Citado in Ennoea;

De Confectione veri Lapidis philosophorum, in Verae alchemiae artisque metallicae citra aenigmata (ed. G Gratarolus), Basileia, 1561 (v. 2, p. 226-230) e Manget (v. 2, p. 80-83) Declara que a matéria da pedra filosofal é uma água viscosa que se encontra em toda a parte, mas que se, porventura, fosse nomeada revolucionaria todo o mundo.

 

KALID

Ver Manget, v. 2, p. 183 e 189: Liber Secretorum e Liber Trium Verborum.

 

KIRCHER, Atanásio

O Colégio Romano tornar-se-á a sua residência definitiva, leccionando aí, a partir de 1638, a Matemática e as línguas orientais, entre outras disciplinas. No período compreendido entre 1647 e 1678 (ano a partir do qual e até ao fim da vida a sua preocupação maior serão os exercícios espirituais), definitivamente liberto de obrigações pedagógicas e tendo encontrado, por fim, a estabilidade e os meios para prosseguir as suas investigações, o Doctor Centium Artium, epíteto que alude muito justamente ao número surpreendente de disciplinas e temas que examinou, dedicou-se quase exclusivamente à redacção da maior parte da cerca de meia centena de volumes e opúsculos a cuja passagem a letra de forma assistiu ainda. Mundus Subterraneus, (Amesterdão, 1665, 2 vols. [1-20-12-1 / 2]), não oferece dúvida foi a sua obra mais larga e extensivamente divulgada e estudada em Potugal, muito propalada e glosada, mormente por quantos se dedicaram à especulação sobre as verdadeiras causas dos terramotos. Na doutrina dos pirofilácios (ou do fogo subterrâneo latente), aí consignada, encontraram inúmeros autores, não obstante o impacto da Filosofia Natural dos Modernos, o fundamento físico plausível para o terramoto de 1755. É o caso, entre númerosíssimos outros, de Bento Morganti (Carta de hum amigo para outro em que dá succinta noticia dos effeitos do terramoto succedido em o primeiro de Novembro de 1755 com alguns principios Fisicos para se conhecer a origem, e a causa natural de similhantes Phenomenos terrestres, Lisboa, 1756), do autor anónimo da Relação do Grande Terramoto que houve na Praça de Mazagam (1756) e de Veríssimo Moreira de Mendonça (Dissertação Philosophica

sobre o terramoto de Portugal do primeiro de Novembro de 1755, Lisboa, 1756). Convém, no entanto, não esquecer que a mesma obra foi alvo de refutações pertinentes, como a exposta por Joaquim Moreira de Mendonça na História Universal dos Terramotos que tem havido no Mundo [...] com huma Narração Individual do Terramoto do primeiro de Novembro de 1755 [...] e huma Dissertação Physica sobre as causas geraes dos Terramotos, seus effeitos, differenças e Prognosticos, e as particulares do ultimo (Lisboa, 1758). A mais significativa e detalhada delas, porém, foi apresentada por Anselmo Caetano de Abreu Gusmão Castelo Branco, em Ennoea ou Aplicação do Entendimento sobre a Pedra Filosofal (Lisboa, 1732-33), e dirigida contra a opinião advogada por Kircher de não ser viável a crisopeia ou transmutação laboratorial dos metais, conquanto aceitasse a possibilidade da mesma transmutação na natureza.

 

LANGELOTTUM, Joel

Ver Manget, v. 1, p. 168-192: De Metallorum Transmutatione.

 

LANIS, Francisco Tertii

Autor de Magisterium Naturae et Artis (Brixiae, 1684-86 e Parma, 1692, 3 vols. [1-20-1-3 / 5]).

 

LAVINIUS A MORAVIA, Venceslau

Ver Bibliothèque des Philosophes [Chymiques], v. 1, p. 232-235: Tratado do Céu Terrestre [2-32-3-26].

 

LÉMERY, Nicolas

Médico e químico, discípulo de Glazer. Autor do Cours de Chymie, contenant la manière de faire les opérations qui sont en usage dans la Médecine, par une méthode facile (Paris, 1690), obra que contou mais de três dezenas de edições. Trad. castelhana: Curso Chimico, Madrid, 1721 (D. Félix Palácios Baya) [1-18-10-14]. Citado in Ennoea. A Pharmacopea Ulyssiponense, galenica e chymica, que contem os principios, deffiniçõens e termos gerais de uma e outra Pharmacia (Lisboa: Pascoal da Silva, 1716. [BN: SA 9619 P]) de João Vigier (1662-1723), comerciante de drogas francês radicado em Lisboa desde os finais de seiscentos, foi a primeira obra de química farmacêutica impressa em Portugal, apesar de não passar de uma tradução quase integral do Cours de Chimie de Nicolas Lémery. Inclui, além dele, um Tratado da eleição, descrição, doses e virtudes dos purgantes vegetais e das drogas modernas de ambas as Índias e Brasil e um vocabulário latino e português de todas as drogas animais, vegetais e minerais. Contém estampas representando equipamentos de laboratório de química.

 

LIBAVIUS, Andreas (1560-1616)

Doutor pela Universidade de Wittenberg, com o título de Poeta Laureado (1581), e logo professor em Iemerau. Em 1586 StadtRector em Coburg e, no ano de 1588, estudante de Medicina em Basileia, onde se graduou. Foi o primeiro a referir-se à transfusão sanguínea. Professor de História e Poesia na Universidade de Iena. Apesar de, por vezes, atacar os paracelsianos, a sua obra é uma fonte preciosa para o conhecimento da medicina hermética. Manuel Bocarro Francês cita uma obra cujo título grafa Syrraxi (Anacephaleoses da Monarquia Lusitana). Na D.O.M.A. Alchymia Triumphans de injusta in se Collegii Galenici Spurii in Academia Parisiensi Censura (Frankfurt, 1607), obra suscitada pelas censuras da Academia de Medicina de Paris, publica modelo de um laboratório de Química com suas diferentes dependências e aparelhos.

*Praxis alchymiae [...], Frankfurt, 1604 [BUCoimbra] Descreve processos, produtos e a "casa química" (laboratório). Ver Manget, v. 2, p. 700;

*D.O.M.A. Syntagmatis selectorum undiquaque et perspicue traditorum Alchymiae Arcanorum tomi duo, Frankfurt, 1613 e Petrikopfi, 1615, 1 vol. em 2 tomos [1-18-8-8];

*Appendix necessari syntagmatis arcanorum Chymicorum [...], Frankfurt, 1615 [2-51-13-10 = Proibido decreto 18 Maio 1618];

*Examen Philosophiae Novae, Petrikopfi, 1615 [2-51-13-11 = Proibido por decreto de 18 Maio 1618] Referências a Paracelso, Rosa Cruzes, etc.;

 

LUDOVICE DE COMITIBUS

Ver Manget, v. 2, p. 759: Turba Semiraminis Hermetica Sigillata; De liquore Alchaest et Lapide Philosophorum; De Maceratensis Philosophiae ac Medicinae Doctoris.

 

MANGET, Johann Jacob (1652-1742)

Médico suiço, compilador de grande número de obras de medicina, farmácia, química e alquimia. Na BPNMafra existem, além da descrita, diversas outras antologias organizadas pelo mesmo autor, salientando-se a Bibliotheca Pharmaceutica-Medica [1-18-9-7/8], a Bibliotheca Chymica, sive rerum ad artem Machaonicam [1-18-9-1/4], a Bibliotheca scriptorum Medicorum veterum et recentiorum [1-18-9-9/10 e 1-15-6-10/12 = 2 exemplares] e a Bibliotheca Medico-Practica [1-18-8-9/12].

*Bibliotheca Chemica Curiosa, seu Rerum ad Alchemiam pertinentium Thesaurus Instructissimus: quo non tantum Artis Auriferae, ac Scriptorum in ea Nobiliorum Historia traditur; Lapidis Veritas Argumentis & Experimentis innumeris, immò & Juris Consultorum Judiciis evincitur; Termini obscuriores explicantur; Cautiones contra Impostores, & Difficultates in Tinctura Universali conficienda occurrentes, declarantur: Verum etiam Tractatus omnes Virorum Celebriorum, qui in Magno sudarunt Elixyre, quique ab ipso Hermete, ut dicitur, Trismegisto, ad nostra usque Tempora de Chrysopoea scripserunt, cum praecipuis suis Commentariis, concinno Ordine dispositi exhibentur. Ad quorum omnium Illustrationem additae sunt quamplurimae Figurae aenae, Colónia e Genebra, 1702, 2 vols. [1-18-5-1/2]. No Catálogo de Livros antigos dos Extintos Conventos [...] da Estremadura (1864) constava um exemplar, com o nº 1482 (p. 57). O v. 1 inclui 71 tratados: De Ortu et progressu Chemiae (p. 1) e Conspectus scriptorum Chemicorum (p. 38) de Olaus Borrichio; De Lapide Philosophorum Dissertatio (Mundus Subterraneus, p. 54) e De Alchymia Sophistica (p. 82) de Atanásio Kircher; Interpellatio brevis ad Philosophos pro Lapide Philosophorum Contra Antichymisticum Mundum Subterraneum Athanasii Kircheri Jesuitae, de Salomão Blavenstein (p. 113); Tractatus de Tinctura Universali contra R. P. Athanasium Kircherum pro existentia Lapidis Philosophici disputatur de Gabriel Claudero (p. 119); De Metallorum Transmutatione de Joel Langelottum (p. 168); Aurum Chymicum de D. Filipe Jacob Sachs (p. 192); Vitulus Aureus de J. F. Helvetius (p. 196); De Jure Artis Alchemiae de João Crisipo Faniano (p. 210); Lexicon Chymicum e Lexicon Chymicum, liber secundus (p. 275) de Guilherme Johnsonio (p. 217); Res Alchymicorum obscuras extraordinaria perspicuitate explanans (p. 291) e Epistolae aliquot (p. 304) de Pedro João Fabri; Oedipus Chymicus de J. J. Becher (p. 306); De Alchimiae Difficultatibus Liber de Teobaldo de Hoghlande (p. 336); Tractatus quo verae ac genuinae Philosophiae Hermeticae et fucatae ac sophisticae Pseudo-Chemiae et utriusque Magistrorum Characterismi accurate delineantur de Cato Chemicus (p. 368); Comentário ilustrado da Tabula Smaragdina de W. C. Kriegsmanni e Gerard Dornei (p. 380); Testamentum de Arnaldo Vilanueva (p. 389); Comentário de Hermes Trismegisto (p. 389) de Gerard Dornei; Hermetis Trismegisti cap. 7 (p. 400); Turba Philosophorum ex antiquo Manuscripto Codice excerpta (p. 445); In Turbam Philosophorum Sermo unus Anonymi (p. 465); Allegoriae Sapientum supra Librum Turbae Philosophorum XXIX Distinctiones (p. 467); Turbae Philosophorum aliud exemplar (p. 480); Allegoriae super librum Turbae (p. 494); Aenygma ex visione Arislei Philosophi et Allegoris Sapientum (p. 495); Exercitationes in turbam Philosophorum (p. 497); Liber Clavis Majoris Sapientiae de Artephius (p. 503), Liber de

Compositione Alchemiae de Morienus e Calid; Summa Perfectionis (p. 519) e Liber Investigationis Magisterii (p. 558) e Testamentum de Geber (p. 562); De Alchemia Dialogus Veram et genuinam librorum Gebri sententiam explicens (p. 565) de João Bracheschi; Exercitationes perbreves in Gebri Arabis summi Philosophi libro duos Summae Perfectionis (p. 598) de João Gerardo; Speculum Alchemiae (p. 613) e De Secretis operibus Artis et Naturae et de nulitate Magiae (p. 616) de Rogério Bacon; Tractatulus de Alchemia (p. 626) e De Congelatione et Conglutinatione Lapidum (p. 636) de Avicena; De perfecto Magisterio Tractatus (p. 638) e Tractatulus de practica lapidis philosophi (p. 659) de Aristóteles; Thesaurus Thesaurorum et Rosarium Philosophorum (p. 662), Novum Lumen (p. 672), Perfectum Magisterium et Gaudium transmissum ad inclytum Regem Aragonum, quod quidem est Flos Florum, Thesaurus omnium incomparabilis et Margarita (p. 679), Epistola super Alchemia ad Regem Neapolitanum (p. 683), Speculum Alchemiae (p. 687), Carmen (p. 698), Quaestiones tam Essenciales quam accidentales ad Bonifacium Octavium cum suis Responsionibus (p. 698), Semita Semitae (p. 702) e Testamentum (p. 704) de Arnaldo de Vilanova; Testamentum et primum de Theorica (p. 707) e Testamentum, pars practica super Philosophico Lapide (p. 763) de Raimundo Lúlio; Analysis Partis Praticae Raymundi Lullii in Testamento (p. 778) de João Gerhardo; Compendium animae Transmutationis Artis Metallorum Ruperto Anglorum Regi transmissum (p. 780), Testamentum Novissimum Carolo Regi dicatum (p. 790), Testamenti Novissimi pars altera (p. 806), Elucidatio Testamenti (p. 823), Liber dictus Lux Mercuriorum, Experimenta, Artis compendiosa, Compendii Animae Transmutationis Artis Metallorum in quo explicatur quod in aliis Libris occultatum est (p. 824), Experimenta in quibus verae Philosophicae Chemicae Operationes clarissime traduntur (p. 826), Liber artis Compendiosae quem Vademecum nuncupavit (p. 849), Compendii Animae Transmutationis Artis Metallorum aliud exemplar (p. 853), Epistola de Accurtatione Lapidis Benedicti missa Anno 1412 (p. 863), Liber Potestas Divitiarum dictus, in quo optima expositio Testamenti Hermetis continetur (p. 866), Clavicula quae et Apertorium dicitur (p. 872), Compendium Artis Alchemiae et Naturalis Philosophiae (p. 875), Tractatus de Lapide et Oleo Philosophorum (p. 878) e Codicillus seu Vademecum et Cantilena in quo fontes Alchemicae Artis ac Philosophiae reconditioris uberrime traduntur (p. 880) de Raimundo Lúlio; Lignum Vitae (p. 911) de João Bracesco; Liber Mutus Alchemiae Mysteria filiis Artis nudis figuris [em falta no ex. da BPNMafra] (p. 938). O v. 2 inclui 72 tratados: Margarita Pretiosa novella de Pedro Bono (p. 1); Liber Magisterii de Confectione Veri Lapidis Philosophorum (p. 80) e Liber Lucis (p. 84) de João de Rupescissa; Rosarium Philosophorum (p. 87); Rosarium Philosophorum aliud Exemplar [...] per Toletanum Philosophum maximum (p. 119); Scala Philosophorum (p. 134) de Guido de Montanor; Clangor Buccinae (p. 147); Correctio Fatuorum (p. 165); Liber de Arte Chimica (p. 172) de Marsílio Ficino; Liber Secretorum Artis (p. 183) de Calid Filius Jaici; Liber Trium Verborum (p. 189) de Calid Rex; Allegoria (p. 191) de Merlim; Thesaurus Philosophiae (p. 192) de Averróis; Aurelia Occulta (p. 198) de Zadith; Consilium Conjugii (p. 235); Libellus utilissimus peri Chemia V, cui titulum fecit Correctorium (p. 266); Liber duodecim Portarum (p. 275) de George Ripley; Tractatus Crede mihi, seu Ordinale dictus (p. 285) de Thomas Northoni; Rosarium Arcanorum Philosophorum (p. 309) de João Dausten; Dialogus inter Naturam et Filium Philosophiae (p. 326); Opusculum Chemicum (p. 336) de Dinis Zacarias; Commentarius in Dionysii Zacharii Opusculum Chemicum (p. 350) de Nicolau Flamel; Collectanea ex Democrito (p. 361); Tractatus brevis seu summarium Philosophicum (p. 368) de Nicolau Flamel; Chrysopoeia et Vellus Aureum (p. 371) de J. Aurélio Augurelo; Carmen Aureum (p. 387) e AEnygma (p. 388) de Nathanis Albinei; Liber de Secretissimo Philosophorum opere Chemico (p. 388) e Responsio ad Thomam de Bononiae (p. 399) de Bernardo Trevisano; Liber de Magno Lapide Antiquorum Sapientum (p. 409), Liber duodecim Clavium (p. 413), De prima Materia Lapidis Philosophici (p. 421) e Brevis Appendix et perspicua repetitio aut iteratio in librum suum de Magno Lapide Antiquissimorum (p. 422) de Basílio Valentino; Congries Paracelsicae Chemiae de

Transmutationibus Metallorum (p. 423) de Gerard Dorn; Novum Lumen Chemicum (p. 463), Parabola, seu Aenigma Philosophicum (p. 474), Dialogus Mercurii, Alchemistae et Naturae (p. 475), Tractatus de Sulphure (p. 479) e Apographus Epistolarum hactenus ineditarum super Chemia (p. 493) de Miguel Sendivogius; Commentarius in Novum Lumen Chemicum Michaelis Sendivogii XII figuris in Germania repertis illustratum (p. 516), de Orthélio; De lapide (p. 530) de Guilielmus Trognianus; Aquarium Sapientum (p. 537) de Hydrolithus Sophicus; Opus Aureum de Auro (p. 558) de Pico della Mirandola; Arca Arcani artificiossimi de Summis Naturae Mysteriis, constructa ex Rustico ejus majore et minore et Physica naturali rotunda, per visionem Cabalisticam descripta (p. 585) de João Grassei; Mysterium occultae Naturae e De Duobus Floribus Astralibus Agricolae minoris in ejus Arca Arcani Artifiosissimi contentis (p. 619) por discípulo anónimo de João Grassei; Enchiridion Physicae restitutae (p. 626) e Arcanum Hermeticae Philosophiae opus in quo occulta Naturae et Artis circa Lapidis Philosophorum materiam et operandi modum, canonice et ordinate fiunt manifesta (p. 649) de Dom Espagnet; Introitus apertus ad occlusum Regis palatium (p. 661), Tractatus de Metallorum Metamorphosi (p. 676), Brevis Manuductio ad Rubinum Caelestem (p. 686) e Fons Chemice Philosophie (p. 693) de Philaleto; Epistola contra Philalethem (p. 697) de João Fernando Hertodt; Resposta à precedente Epistola (p. 699) de Anónimo; Liber Praxeos Alchemicae cum Additionibus de André Libávio; In AEnygmaticum quoddam Epitaphium Bononiae ante multa Saecula Marmoreo Lapidi insculptum Commentariolus (p. 713) de Nicolau Bernardo; Extractum e Tractatu super eodem Epitaphio conscripto (p. 717) de Carolo Cesar Malvasius; Bitolium Metallicum seu Medicina duplex pro Metallis et Hominibus infirmis (p. 718), Tumulus Hermetis apertus (p. 728), Examen Alchemisticum (p. 736) e Disceptatio de Lapide Physico, in qua Tumbam Semiramidis ab Anonymo Phantastice non Hermetice sigillatam; jam vero reclusam, si sapiens inspexerit ipsam, promissis Regum Thesauris vacuam inveniet (p. 744) de Pantaleon; Tumba Semiramidis Hermetice Sigillata (p. 759); Tractatus de liquore Alchaest et Lapide Philosophorum [...] item de Sale volatili tartari, etc. (p. 764), Metallorum ac Metallicorum naturae operum ex Orthophysicis fundamentis recens Elucidatio (p. 781) e Appendix Symbole Crucis aliqualem explicationem exhibens (p. 840) de Ludovicus de Comitibus; Icon Philosophiae Occultae (p. 845) de Claudius Germain; Aurum Superius, et Inferius Aure Superioris et Inferiores Hermeticum (p. 856) de Cristiano Adolfo Balduino; Brevis enumeratio hactenus a se in chemia actorum (p. 875) de Melchior Frobénio; De Spiritu Mundi Positiones aliquot (p. 876) de I. B.; Responsum ad Positiones de Spiritu Mundi (p. 880) de André Cnoffelius; Trames facilis et planus ad Aureum Hermetis Arcem (p. 887); Hortulus Hermeticus e Flosculis Philosophorum Cupro Incisis Conformatus et brevissimia versiculis explicatus (p. 895) de Daniel Stolius von Stolzenberg, composto por 136 medalhões emblemáticos, alusivos a outros tantos autores representativos da história da alquimia.

 

MARIA, a Profetisa

Ver Bibliothèque des Philosophes [Chymiques], v. 2, p. 82-91: Diálogo entre Maria e Aros sobre o Magistério de Hermes ou a Prática de Maria, a Profetisa, sobre a Arte Química [2-32-3-26].

 

MERLIM

Ver Manget, v. 2, p. 191: Allegoria.

 

MONTANOR, Guido

Ver Manget, v. 2, p. 134-147: Scala Philosophorum.

 

MORIENUS

Ver Bibliothèque des Philosophes [Chymiques], v. 2, p. 92-143: Diálogo entre Calid e o Filósofo Morieno sobre o Magistério de Hermes [2-32-3-26] e Manget, v. 1, p. 509: Liber de Compositione Alchemiae.

 

NORTON, Thomas

Ver Manget, v. 2, p. 285 e Tripus Aureus: Crede mihi seu Ordinale.

 

ORTHELLI

Ver Manget, v. 2, p. 516: Comm. in Novem Lumen Chemicum de Sendivogius.

 

PANTALEONIS

Ver Manget, v. 2, p. 718: Bifolium Mettalicum; Tumulus apertus; Examen Alchemisticum; Disceptatio de Lapide Physica.

 

PARACELSO (c. 1493-1541)

Auréolo Filipe Teofrasto Bombasto von Hohenheim. Grande reformador da medicina. Propôs a substituição da prática galénica pela observação da natureza e pela medicina hermética. Iniciado na Alquimia e na Magia Natural por Tritémio, estudou em Viena (1509-1511) e Ferrara (1513-1516), após o que vagueou pela Europa durante sete anos, tendo aportado a Lisboa. Atingiu o zénite da reputação em Estrasbrugo, no ano de 1526. Considera a natureza não um sistema de leis, mas como um fluxo criativo, autónomo e dinâmico, mais mágico do que racional. A fonte de tudo o que existe não é o intelecto divino de um Deus paternal mas o Mysterium Magnum. A medicina medieval defendia que as estrelas governavam o corpo, Paracelso, por seu turno, ensina que dentro do homem existem planetas ou constelações, os astra, um céu interior que governa a saúde e a doença. Consta do Index de 1597.

*Opera Omnia medica-chymica-chirurgica, Genebra, 1658, 2 vols. [1-18-7-14/15] O v. 1 reúne toda a obra médica: patologia e terapeutica ocultas, assim como os mistérios magnéticos; o v. 2 comprende as obras mágicas, astronómicas e alquímicas (inclui: o Opus Paramirum, onde se refere às cinco entidades - veneni, naturale, astrale, spirituale, deale - que geram doenças no corpo, e o Volumen Paramirum, onde expõe os aspectos mais conhecidos da sua doutrina médica, designadamente a dos Tria Prima - mercúrio, enxofre e sal -, que considera os princípios primordiais e activos da criação); o v. 3 (em falta na BPNMafra) abarca as matérias anatómicas e cirúrgicas propriamente ditas;

*Transmutationibus Mettalorum (ver Manget, v. 2, p. 423).

 

PICO DELLA MIRANDOLA (1463-1494)

Filósofo e humanista. Durante sete anos percorreu diversas escolas da Itália e da França em busca dos saberes que os estudos tradicionais não lhe haviam transmitido. Além do grego e do latim, dominava o hebraico, o caldeu e o árabe. A Cabala exerceu enorme fascínio sobre Pico, tal como o hermetismo, designadamente a astrologia. Em 1486, em Roma, desafiou os sábios a discutirem consigo 900 proposições abrangendo a ciência, a filosofia e a teologia. É tido na conta de um dos grandes mestres da Academia florentina, tendo adoptado um neoplatonismo de tendência mística e cabalística, destinado a estabelecer uma concórdia entre as religiões e as filosofias, baseado no reconhecimento de um Deus único e supremo, princípio de todas as coisas. Citado por Manuel Bocarro Francês (Anacephaleoses da Monarquia Lusitana), com o título Livro de aureo faciendo (De Auro, Veneza, 1586 [Ver Manget, v. 2, p. 558]).

 

PORTA, Giambattista della (1535-1615)

Discípulo de Agrippa. Fundador da Academia Secretorum Naturae (também conhecida por Academia dei Oziosi), em Roma. Designado membro da Academia dei Lincei no ano de 1610.

*Magia Naturalis, sive de miraculis rerum naturalium, Nápoles, 1558 [2-37-2-1] Os quatro livros que compõem esta edição deram lugar, na redacção definitiva (1589), a vinte: I. De mirabilium rerum causis; II. De variis animalibus gignendie; III. De novis plantis producendis; IV. De augenda supellectili; V. De metallorum transmutatione; VI. De gemmarum adulteriis; VII. De miraculis magnetis; VIII. De portentosis medelis; IX. De mulierum cosmetice; X. De extrahendis rerum essentiis; XI. De myropoeia; XII. De incendiariis ignibus; XIII. De raris ferri temperaturis; XIV. De miro conviviorum apparatu; XV. De capiendis manuferris; XVI. De invisilibus literarum notis; XVII. De catoptricie imaginibus; XVIII. De staticis experimentis; XIX. De pneumaticis; XX. Chaos. Os processos descritos na 1ª impressão assemelham-se ainda aos Segredos da tradição medieval, caracterizando-se pela busca do maravilhoso. Define magia como a "parte prática da ciência natural" (os fenómenos mágicos derivam dos naturais), aproximando-se de Pico e Ficino na identificação do mago com o sapiente. A fortuna da 1ª redacção (seis impressões) acompanhará a 2ª (vinte e sete edições em latim e línguas vulgares), fazendo dela uma das obras mais populares de seiscentos, apesar do frio acolhimento contemporâneo (excepção feita a Kepler);

*De Humana Physiognomonia, libri IV, qui ab extimis, quae in hominum corporibus conspiciuntur signis, ita eorum natura, mores et consilia [...], Rothomagi, 1650 [2-37-6-28] Ilustrada com numerosas gravuras duplas, representando lado a lado uma cabeça humana e uma animal, com a finalidade de realçar os traços comuns;

*De Coelestis Physiognomoniae libri VI, unde quis facile ex humani vultus extima inspectione, poterit ex coiectura futura praesagire. In quibus etiam Astrologia refellitur, et inanis, et imaginaria demonstratur, Nápoles, 1603 [ed. 1650, 2-37-6-28] Primeira edição da última obra do autor sobre o tema. Enuncia método de previsão astrológica baseado no exame dos elementos, dos humores e outras peculiaridades do corpo humano. Os efeitos que os astrólogos pretendiam produzidos pelos planetas seriam antes simbolizados por eles. Reconhece, no entanto, a influência de certos astros sobre os temperamentos humanos.

 

RIPLEY

Ver Manget, v. 2, p. 275: Liber duodecim Portarum.

 

RUEL, João (f. 1537)

Autor do De natura Stirpium libri tres (Paris, 1536 [1-20-9-13), obra citada por Manuel Bocarro Francês (Anacephaleoses da Monarquia Lusitana), o qual lhe chama Ruélio.

 

SACHS, Philip Jacob

Ver Manget, v. 1, p. 192-195: Aurum Chymicum.

 

SCHOTT, Gaspar

Jesuíta, discípulo de Atanásio Kircher.

*Magia Universalis Naturae et Artis sive recondita Naturalium et Artificialium rerum Scientia, Wurzburg e Bamberg, 1657-59, 4 partes em 4 vols. [Bamberg, 1677, 2-37-8-8/11];

*Technica Curiosa, sive mirabilia artis, Nuremberga, 1664 Refere diversas maravilhas científicas, dedicando o último livro à Kabbalah, 2 vols. [Herbipoli, 1687, 2-37-8-12/13];

*Physica Curiosa, sive mirabilia naturae et artis, Herbipoli, 1697, 2 vols. Tratado de teratologia e demonologia [2-37-8-14/15].

 

SEGUSIO, Henrique

Autor de Summa Aurea [...] (Londres, 1576 [2-17-16-5]).

 

SENDIVOGIUS, Michael (1566-1646)

Natural da Morávia. Discípulo de Alexander Sethon, alquimista escocês prisioneiro de Cristiano II, eleitor da Saxónia. Tendo-o auxiliado na fuga da prisão de Dresden, em 1603, terá ficado, segundo a tradição, depositário dos seus segredos alquímicos, motivo por que se considera a sua obra uma compilação de escritos de Sethon, "Scotus apostata qui scripsit anno 1541", conforme o Index de 1597. Sendivogius é citado in Ennoea.Ver Manget, v. 2, p. 463: Novum Lumen Chemicum (doze tratados), Dialogus Mercurii, Alchemistae et Naturae, Tractatus de Sulphuris e Chemia; Musaeum Hermeticum Reformatum: Novum lumen chemicum, Aenigma philosophicum, Dialogus Mercurii et Alchymistae et Naturae e Novi luminis tractatus alter de sulphure.

 

SENERTI, Daniel

Médico e alquimista. Publicou Opera Omnia Medica (Londres, 1676, 6 vols. [1-18-6-1 / 6].

 

STOLCIUS, Daniel

Ver Manget, v. 2, p. 895: Hortulus Hermeticus Flosculis Philosophorum Cupro Incisis Conformatus.

 

SWENDENBORG, Emanuel (1688-1772)

Estudou Ciências Naturais e Filosofia em Upsala. Cientista, filósofo e místico. Em 1716, é nomeado assessor da Comissão de Minas pelo rei da Suécia, Carlos XII. Antecipou muitos factos científicos, sendo notáveis as suas ideias sobre o átomo, o magnetismo, a luz, a paleontologia e a cristalografia. Entre 1743 e 1744, uma sucessão de visões e sonhos fê-lo ficar convicto de ser dotado da capacidade de contactar com os espíritos e anjos e haver sido eleito para uma missão sagrada. A partir de 1747 renunciou a todos os cargos oficiais, passando a dedicar-se exclusivamente à absorção mística e às viagens pelos mundos invisíveis. Não aceita os dogmas da Trindade e da Redenção, advogando a existência de uma única ordem de coisas sob aspectos diferenciados: um só mundo sob duas formas, a terra reproduzindo o céu e vice-versa. A sua obra originou a criação da Igreja de Nova Jerusalém, tendo exercido enorme influência sobre escritores e pensadores de todas as tendências.

*Prodromus Principiorum Rerum Naturalium, 1734 [1-20-11-12 = Proibido decreto 13 de Abril de 1730];

*Opera Philosophica et Mineralia, 1734, 3 vols. [1-20-12-8 / 10] O primeiro vol., dedicado aos Principia, expõe os seus pontos de vista sobre a formação nebulosa do universo, teoria precursora da de Kant-Laplace;

*Regnum Subterraneum, sive minerale de ferro, 1734 [1-20-11-13];

*Regnum Subterraneum, sive minerale de cupro et orichalco, 1734 [1-20-11-14].

 

[THEOPHILO ?]

Triunfo de la Transmutacion metallica, en que se evidencia la del Hierro en cobre fino, in D. Salvador Jose Mañer, Crysol Critico, Madrid [2-25-9-1].

 

VALENTINUS, Basilius (1394-1413)

Uma lenda fá-lo monge beneditino, em S. Pedro de Erfurt, vivendo no século XV. Atribui-se a Valentino a teoria dos Tria Prima, ou dos três princípios, sal, enxofre e mercúrio, depois usurpada por Paracelso, segundo os adversários deste. Constava da biblioteca confiscada a Dom Vicente Nogueira [BNParis: ms. Port. 51, 5.51897, fl. 78-79].

Ver Manget, v. 2, p. 409: Liber de Magno Lapide Antiquorum Sapientur; Duodecim Clavium; Lapidis Philosophi; Magnus Lapide Antiquissimorum; Tripus Aureus: Practica una cum 12 clavibus et appendice.

 

VAN HELMONT, Jean Baptiste (1579-1644)

Desiludido com o aristotelismo obcessivo da Universidade de Lovaina, voltou-se para os estudos médicos e herbais, doutorando-se em Medicina, no ano de 1599. Rejeitou a antiga doutrina dos quatro elementos, casando a tradição mediévica com a paracélsica da alquimia espagírica ou pirotécnica. Realizou descobertas inovadoras em química, sendo considerado o fundador da química pneumática: foi a primeiro a distinguir os gases da atmosfera. As teorias que expôs sobre o alkaest, o qual, assegurava, era detentor de extraordinárias propriedades dissolventes, ainda mais reputação lhe havia de grangear. Considera como príncipios: 1. os elementos (são primitivos o ar e a água; a terra é um produto da água; não toma o fogo propriamente como um elemento, mas como intermediário entre a substância e o acidente); 2. os arqueos (espírito ou agente seminal, verdadeira causa eficiente, existindo tantos quantas as classes dos corpos); 3. os fermentos (existe um fermento universal, como luz vital, sendo os restantes próprios de cada classe de seres); 4. os impulsos (sopros que impulsionam o movimento; há-os de duas espécies: os impulsos astrais e os impulsos naturais e voluntários dos homens); 5. as almas (situa-as numa ordem superior, classificando-as em sensitivas e intelectivas). Apesar de só postumamente editada pelo filho (François-Mercure Van Helmont), a sua obra provocou uma revolução de atitudes na medicina. Frei António da Anunciação refuta os químicos, servindo-se das experiências de Boyle e Van Helmont.

*Ortus Medicinae, Leyden, 1667 [1-18-6-14] Obra póstuma (1ª edição: Amesterdão, 1648). Crê na transmutação dos metais. Considera o corpo humano um microcosmos químico e inicia o estudo e manipulação dos gases nos processos químicos.

 

VAN SWIETEN, Gerardo

Autor dos Commentaria in H. Boerhaave aphorisma [2-30-11-3/4].

 

VÁRIOS AUTORES

Bibliotheque des Philosophes [Chymiques] ou Recueil des Oeuvres des Auteurs les plus approuvés qui ont ecrit de la Pierre Philosophale. Avec un Discours servant de Preface sur la Verité de la Science et une liste des Termes de l´Art, et des Mots anciens qui se trouvent dans ces Traitez, avec leurs explications, Paris, 1672; Tome second qui contient cinq Traitez énoncez dans l´autre page, et nouvellement traduits. Avec des remarques et les diverses leçons. Une lettre latine sur le Livre intitulé Icon Philosophiae Occultae. Une Preface sur l´obscurité des Philosophes, et sur les Traittez de ce Tome, et leurs Auteurs. Et une Table des Matieres Par le Sieur S. Docteur en Medecine, Paris, 1678 [2-32-3-26 / 27] No v. I inclui: a Tábua de Esmeralda comentada por Hortulano (p. 1-12); a Turba dos Filósofos, ou Assembleia dos Discípulos de Pitágoras, chamado o Código de Verdade (p. 13-48), compilação elaborada directamente em língua árabe, relatando uma suposta reunião de grandes filósofos da antiguidade, presidida por Pitágoras, considerado discípulo de Hermes; o Livro contendo a explicação das Figuras Hieroglíficas de Nicolau Flamel (p. 49-98); o Livro da Filosofia Natural dos Metais do Trevisano (p. 99-150); o Opúsculo de Dinis Zacarias (p. 151-231); o Tratado do Céu Terrestre de Venceslau Lavínio de Morávia (p. 232-235); A Entrada aberta no Palácio encerrado do Rei eo Philaleto (p. 236-326). No v. II: Os Sete Capítulos de Hermes Trismegisto (p. 1-81); o Diálogo entre Maria e Aros sobre o Magistério de Hermes ou a Prática de Maria, a Profetisa, sobre a Arte Química (p. 82-91); o Diálogo entre Calid e o Filósofo Morieno sobre o Magistério de Hermes (p. 92-143), obra supostamente fundada sobre um antigo escrito grego reencontrado em Alexandria e traduzido por Roberto de Chester (c.

1144); o Livro da Arte Secreta ou da Pedra Filosofal de Artephius (p. 144-188); a Suma da Perfeição, ou Sumário do Magistério Perfeito de Geber (p. 189-487).

 

VÁRIOS AUTORES

Opus Aureum ornatum omni Lapidem Pretioso singulare, Lyon, 1532 [2-4-2-14].

 

VÁRIOS AUTORES

Balneis omni quae extent [1-18-12-17] Inclui: Excerpta, quae ad Aquas et Balnea pertinent, de Avicena e seus comentadores, Excerpta de Balneis, de Averróis.

 

VON ROSENROTH, Knorr

Nobre alemão (barão) e um dos mais insignes expositores da Kabbalah em seiscentos. Organizador de Kabbala denudata, seu Doctrina Hebraeorum transcendentalis et metaphysica atque theologica (Salzbach, 1677-1678, 4 partes e Frankfurt, 1684, 4 partes, em 8 vols.) [2-49-4-8 / 11 = Proibido]. Inclui: Clavis ad Kabalam antiquam, Liber Schaare Orah seu Porta Lucis, Liber de Porta Coelorum (Porta dos Céus), de Abraão Cohen Ferreira ou Irira (tomo 1, parte 3), Adumbratio Kabbalae Christianae (tomo 2), Apparatus in librum Sohar, Compendium libri cabalistico-chymici Aesch Metzareph, dicti de Lapide Philosophorum, etc. Na biblioteca de Fernando Pessoa existe a tradução inglesa de S. L. MacGregor Mathers (Kabbalah Unveiled), que erroneamente considerou a obra como parte integrante do Zohar.

 

WEIDENFELD, Johannes Segerus

Autor do De Secretis Adeptorum, sive de usu spiritus vini Lulliani libri 4, Londres, 1684 [2-31-6-20]. Reedições: Hamburgo, 1685 e Lipsia, 1768. Tradução inglesa: Four books concerning the secret of the adepts or of the use of Lully's spirit of wine (Londres, 1685). Ocupa-se dos Menstruos vegetais ao longo de 24 secções, cada uma das quais descrevendo um tipo particular de menstruum e incluindo um total de 150 receitas coligidas em vários tratados alquímicos. Esta obra teve sequência no Prodromus Libri secundi de Medicinis, vel potius dispositio Libri quinti de materia et praeparatione spiritus vini philosophici (Londres, 1687).

 

ZACARIAS, Denis

Ver Bibliothèque des Philosophes [Chymiques], v. 1, p. 151-231: Opúsculo [2-32-3-26].

 

ZADITH

Ver Manget, v. 2, p. 198: Aurelia Occulta.